Leitura da Semana

Acesse mais leituras e mensagens de D. John Main e D. Laurence Freeman:

Reflexões da Quaresma

Durante toda a Quaresma, Dom Laurence envia suas reflexões diárias para a Comunidade.
Quaresma 2018 >
Quaresma 2017 >
Quaresma 2016 >
Quaresma 2015 >
Quaresma 2014 >
Quaresma 2013 >

Séries de Palestras

Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Calendário de Eventos

Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
26
27
28
29
30
31

perfil john

O Caminho do Amor

Extraído de “The Hunger for Depth and Meaning”, de John Main OSB, ed. Peter Ng (Singapura, Medio Media, 2007), págs 182 e 183.

A maior de todas as afirmações teológicas feitas até hoje é a de São João, quando disse: “Deus é amor”.

Recitar o mantra é um ato de puro altruísmo. Cada vez que dizemos o mantra renunciamos, deixamos para trás pensamentos, preocupações, esperanças, medos. Ao recitá-lo tornamo-nos “o olho que vê, mas que não pode se ver”. Ao retornar diariamente à disciplina de recitar o mantra, aos poucos aprendemos a ver além de nós mesmos. Aprendemos a olhar com um enfoque mais avançado, um enfoque em Deus. E ao enfocar desse modo, com tudo o que somos, tudo em nossa vida se alinha com Deus e... chega ao lugar.

A meditação é poderosa porque nos leva a uma [nova] ordem, tranquilidade, paz. É assim porque nossos valores mudam. Em vez de basear-se no eu, no ego, no sucesso, na autopromoção, em todos esses fatores limitantes, nosso sistema de valores passa a basear-se em Deus. Descobrimos, na revelação que ocorre em nosso coração, na revelação da presença de Jesus ali, que Deus é amor. Isso nos leva à conclusão que desencadeia grande poder — a de que essencialmente uma só coisa importa: crescermos no amor. Tudo o mais é secundário. Tudo o mais é consequência.


 

Original em inglês:

The Way of Love

An excerpt from John Main OSB, “The Way of Love” in The hunger for depth and meaning, ed. Peter Ng (Singapore: Medio Media, 2007), p. 182, 183.

The greatest theological statement ever made was made by St. John when he said: “God is love.”

The saying of the mantra is an act of pure selflessness. Every time we say the mantra, we renounce, we leave behind our thoughts, our concerns, our hopes, our fears. In saying the mantra we become “the eye that sees but cannot see itself.” In saying our mantra, in the daily return to the discipline, we gradually learn to look beyond ourselves. We learn to see with a vision that focuses itself ahead of us, in God. And in that focusing of everything that we are, everything in our life becomes aligned on God and... everything falls into place.

Meditation is so powerful because it leads us into a [new] order, a tranquility, a peace. This is so because our order of values changes. Instead of being based on self, on the ego, on success, on self-promotion, on all these limiting factors, our values system becomes based on God. We discover in the revelation that takes place in our heart, the revelation when we discover the presence of Jesus there, that God is love.This brings us to the conclusion that unleashes great power—that there is only one thing that matters ultimately, which is that we grow in love. Everything else is secondary. Everything else is consequential.

 

uisermos nos tornar sábios, devemos aprender a lição de que “não temos aqui cidade permanente”. 

Medite por Trinta Minutos

Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.