Leitura da Semana

Acesse mais leituras e mensagens de D. John Main e D. Laurence Freeman:

Reflexões da Quaresma

Durante toda a Quaresma, Dom Laurence envia suas reflexões diárias para a Comunidade.
Quaresma 2018 >
Quaresma 2017 >
Quaresma 2016 >
Quaresma 2015 >
Quaresma 2014 >
Quaresma 2013 >

Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Quarta-feira da Semana Santa

D. Laurence Freeman

Estou lendo os 3 volumes da biografia do Kafka nas últimas semanas, surpreso comigo mesmo por conseguir progredir em um bom ritmo na leitura. Ele teve uma vida sem eventos significativos que orbitou em torno de algumas obsessões compulsivas incluindo sua necessidade incontrolável de escrever e seu ouvido perfeito para a literatura. Foi a compulsão por escrever que fez deste advogado de seguros que não podia se comprometer com o amor ou escapar dos seus pais um dos profetas da era moderna. Sua percepção sobre o efeito desumano da burocracia e o senso de opressão pessoal e alienação causado pela vida contemporânea ainda carregam significado para nós com uma intensidade comovente.

No livro O Processo ele descreve a influência doentia de estruturas injustas de poder que esmagam os inocentes. A narrativa da Paixão do julgamento show no qual Jesus é condenado à morte evoca o mesmo cenário de pesadelo quando a paranóia é exposta como não imaginária e nós vemos que somos de fato o alvo inocente de inimigos maldosos.

Mas com Jesus este pesadelo de perseguições, apesar de tão reais quanto um expurgo Stalinista, não o sobrepujam como a vítima inocente. Isso ocorre simplesmente porque ele não se permite ser identificado como uma vítima. Ele é um sacrifício. Então há um resultado bem diferente.

Para uma pessoa religiosa - de qualquer fé - a cumplicidade das autoridades religiosas na injustiça cometida contra Jesus é profundamente perturbadora. Assim como, para o pastor Luterano e teólogo Dietrich Bonhoeffer, foi a conformidade das igrejas Cristãs junto aos Nazistas. Nestes casos nós vemos -- assim como hoje com a aliança da Igreja Russa com o seu regime político -- como poder, falsa prudência e privilégios corrompem a fé.

O poder é um fluxo de energia. Se, originado de qualquer fonte, carregar o vírus da corrupção então carregará este vírus para todas as partes do sistema. Conforme a monstruosa corrupção do poder se vira pessoalmente contra ele, Jesus a confronta com racionalidade ("Se o que eu disse está certo, por que você me bate?"), calma e silêncio. O seu próprio poder, fluindo diretamente da sua fonte de ser, confronta e engaja com o poder sistemicamente corrupto detido por aqueles que o declararam como o inimigo.

Quando o poder é corrompido, as sombras mais escuras da natureza humana aparecem, do topo à base da hierarquia. O sadismo dos campos de morte, ou o genocídio de Srebrenica, ou o tratamento desumano em Guantánamo autorizado por políticos civilizados em Capitol Hill (Washington) são refletidos na tortura e crueldade descritos na narrativa da Paixão.

Pilatos, o político de supremo sucesso, é a divisória deste confronto entre o poder puro e corrupto. Sua pergunta perturbadora "o que é a verdade?" responde a si mesma quando ele lava as suas mãos da injustiça que ele permitiu. Todo sistema de poder a partir daí enxergará -- e para sempre será afetado -- ao enxergar a vítima inocente como a única personagem a sair deste drama de corrupção com integridade.

 


 

 

Texto original em inglês

Wednesday Holy Week

I have been reading the three-volume biography of Kafka for some weeks, surprised at myself for plodding through it. He had an uneventful life revolving around a few compulsive obsessions including his irrepressible need to write and his perfect ear for literature. It was the compulsion to write that made this insurance lawyer who could not commit to love or escape from his parents one of the prophets of the modern era. His insight into the dehumanizing effect of bureaucracy and the sense of personal oppression and alienation caused by contemporary life speaks to us still with moving intensity.

In The Trial he describes the sickening influence of unjust power structures crushing down against the innocent. The Passion narrative of the show trial at which Jesus was condemned to death evokes the same nightmare scenario when paranoia is exposed as not imaginary and we see that we are indeed the innocent target of malevolent enemies.

But with Jesus this nightmare of persecution, though as real as a Stalinist purge, does not overwhelm him as the innocent victim. This is because he simply does not allow himself to identify himself as a victim. He is a sacrifice. And so there is a quite different outcome.

For a religious person - of any faith - the complicity of religious authorities in the injustice committed against Jesus is deeply disturbing. So, to the Lutheran pastor and theologian Dietrich Bonhoeffer, was the compliance of the Christian churches with the Nazis. In these cases we see – as today with the alliance of the Russian Church with its political regime – how power, false prudence and privilege corrupt faith.

Power is a flow of energy. If, from whatever source, it bears the virus of corruption it carries it to every part of the system. As the monstrous corruption of power turns personally against him, Jesus confronts it with rationality (‘if I have said nothing wrong why do you strike me?’), equanimity and silence. His own power, flowing directly from his source of being, confronts and engages with the systemic corrupt power held by those who have declared him to be the enemy.

When power is corrupted, the darkest shadows in human nature surface, from top to bottom of the hierarchy. The sadism of the death camps, or Srebrenika, or the inhumanity at Guantanemo authorized by civilized politicians on Capitol Hill are reflected in the torture and cruelty described in the Passion narrative.

Pilate, the consummate successful politician, is the foil of this confrontation between pure and corrupt power. His creepy question ‘what is truth?’ answers itself as he washes his hands of the injustice he has permitted. Every power system thereafter will see - and be forever disturbed - by seeing the innocent victim as the only character to walk away from this drama of corruption with integrity.

 

Medite por Trinta Minutos

Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.