Leituras

Acesse mais leituras e mensagens de D. John Main e D. Laurence Freeman:

Reflexões da Quaresma

Durante toda a Quaresma, Dom Laurence envia suas reflexões diárias para a Comunidade.
Quaresma 2020 >
Quaresma 2019 >
Quaresma 2018 >
Quaresma 2017 >
Quaresma 2016 >
Quaresma 2015 >
Quaresma 2014 >
Quaresma 2013 >

Encontre um Grupo de Meditacao Crista

Terça-feira da Primeira Semana da Quaresma

D. Laurence Freeman

Você se acha uma “pessoa reta”*?

- Você quer dizer, um membro respeitável da minha comunidade, que mantem os padrões e valores do meu grupo?

Mais ou menos. O que mais significa reto?

-Sentar-se ou ficar de pé com as costas retas. Ou o que tem comprimento maior que a largura.
- Então, o que quer dizer com isso?

Quero sugerir que existe uma conexão entre sentar-se na meditação e viver retamente - sendo moral, justo, amável, verdadeiro.

- Quer dizer que tudo que se precisa para ser um bom ser humano é ter uma boa postura física?

Ah se fosse... Não, mas quando meditamos, dizem-nos para sentarmos em uma “boa” postura, o que significa com as costas retas. Isso ajuda a respiração e a disciplina de quietude durante a meditação e, portanto, nos ajuda a meditar. Existe uma ligação entre a postura física e a vigilância mental e a clareza - e até mesmo o sentido de propósito que está por trás da meditação. Em geral, é mais difícil meditar se a sua postura é largada, preguiçosa e desconfortável.

- Mas eu poderia meditar e ser uma fraude, mentir e explorar impiedosamente a fraqueza dos outros? A meditação pode me ajudar a escapar da minha consciência e me deixar focar melhor minhas más ações?

Talvez por um tempo, é claro, mas acho que seria insustentável. Na meditação, enquanto nos sentamos em silêncio, nos movemos. Quanto maior a quietude, maior a aceleração. Este movimento quieto nos conduz à nossa retidão interior essencial - somos essencialmente retos. Ao longo do caminho, encontramos posturas mentais interiores, recentes ou já bem estabelecidas, nas margens da nossa personalidade ou mesmo naquilo que constitui nossa personalidade - e essas posturas podem contradizer nossa retidão essencial. Elas podem ser aspectos de nós mesmos retorcidos e deformados.

- Enfrentar isso será muito difícil então, e resistiremos a ser “retificados”. É provavelmente por isso que abandonamos nosso compromisso total, ou reduzimo-lo aos tempos de sentarmos eretos.

Concordo. É difícil meditar se você acabou de mentir ou de caluniar alguém, se esteve numa orgia de fofocas ou excedeu-se no comer ou beber. Mas sempre podemos corrigir nossa postura, tanto interna como externa. Se não desistirmos, podemos realinhar-nos com o nosso valor essencial - nossa verdadeira retidão.

Se descobrimos nosso valor interno, começamos a viver verdadeiramente os valores em que acreditamos e podemos pedir desculpas quando não conseguimos fazê-lo. Você ainda está ouvindo?

 

*NT. No original “upright person”, e upright tem o sentido de vertical, ereto, de pé, direito, íntegro, correto, reto.

 


 

Texto original em inglês

Tuesday Lent Week One

Do you think of yourself as an ‘upright person?’

-Do you mean a respectable member of my community who keeps to the standards and values of my group?

Kind of. What else does upright mean?

-Sitting or standing with your back straight. Or being of greater length than width.
-So what’s the point of this?

The point is to suggest there is a connection between sitting upright in meditation and living in an upright way - being moral, fair, kind, true.

-All I have to do is have a good physical posture then and I will be a good human being?

If only. No, but when we meditate we are told to sit in a ‘good’ posture which means with the back straight. This helps breathing and the discipline of stillness during the meditation and therefore helps us meditate. There is a link between physical posture and mental alertness and clarity – and even the sense of purpose that lies behind meditation. It is usually more difficult to meditate if your posture is slouched, lazy and uncomfortable

-But could I meditate and be a cheat, liar and heartless exploiter of the weakness of others? Could meditation help me escape my conscience and make me better focused on my bad actions?

Maybe for a while, of course, but I think it would be unsustainable. In meditation as we sit in stillness we move. The deeper the stillness the greater the acceleration. This still movement takes us into our essential, interior uprightness. (We are essentially upright). Along the way we encounter interior postures of mind, maybe recent or well-established, maybe on the margins of our personality but also possibly in what constitutes our personality – and these postures may contradict our essential uprightness. They can be twisted and deformed aspects of ourselves. 

-Facing these will be very hard, then, and we will fight against being straightened out. It’s probably why we abandon or reduce our full commitment to the times of sitting upright.

I agree. It’s hard to meditate if you have just lied or slandered someone, had an orgy of gossip or over-indulged. But we can always correct our posture, inner as well as outer. If we don’t give up we can re-align ourselves with our essential value – our essential uprightness. 

By discovering our inner value, we truly begin to live by the values we believe in and we can say sorry when we fail to do so. Are you still listening?

 

 

 
O primeiro tipo de silêncio é o da língua. São Tiago aborda esse assunto quando ele exorta seus primeiros companheiros-cristãos a vigiar seus discursos. A língua é como um leme, diz ele, muito pequeno, mas com uma grande influência sobre o rumo que estamos tomando. É mais do que óbvio que nós devemos controlar nossa fala quando dizemos alguma coisa com veemência, meramente ofensiva ou maliciosa seja direta ou escondida no humor. É bem difícil, porque gostaríamos de arrancar nossos sentimentos de raiva de nosso peito. Mas as palavras ditas com raiva e com a intenção de machucar (pois a outra pessoa as merece) caem na mesma armadilha de qualquer violência. Nunca alcança o que promete e sempre piora a coisa.
 
Há, no entanto outro tipo de restrição da fala. A maioria dos nossos enunciados é irracional, não significam o que dizem; muitas vezes seu significado principal é para preencher o constrangimento do silêncio e é geralmente bastante trivial. Não quero dizer que devemos sempre falar sobre realidades sublimes; mas nós sempre devemos comunicar algo útil, significativo ou efetivo. Tagarelice é o equivalente verbal de promiscuidade. Controlar a língua, saber quando começar a falar e quando parar é como ser casto.
 
Quando sentamos para meditar a etapa primeira e óbvia é parar de falar, sem mover nossos lábios ou língua enquanto dizemos o mantra. Com as crianças às vezes dizemos o mantra em voz alta algumas vezes com a diminuição de volume e eles logo descobrem que podem recitá-la interiormente e silenciosamente. Isso é um grande alívio, porque muitas vezes não percebemos como nossa maneira de falar pode ser indisciplinada e superficial ou quantas vezes nós resvalamos para a fofoca. Descansar a língua liberta a mente para que ela se mova em direção ao coração.
 
Mas primeiro temos que lidar com o que está perturbando o outro nível, onde o silêncio tem algo mais a nos ensinar.

 

Medite por Trinta Minutos

Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração "Maranatha". Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.